sexta-feira, 3 de abril de 2015

Biografia de Berthe Morisot


Morisot por Édouard Manet.
Berthe Morisot. Nasceu em Bourges, Cher, a 14 de Janeiro de 1841, e, faleceu em Paris, a 2 de Março de 1895. Berthe Morisot foi uma pintora impressionista francesa. Iniciou sua formação com os mestres Chocarne-Moreau e Guichard e prosseguiu sob a tutela do pintor Jean-Baptiste Camille Corot. Também teve aulas de escultura com Jean-François Millet. No ano de 1863 começou a pintar ao ar livre em Pontoise, onde conheceu os pintores Charles-François Daubigny e Honoré Daumier. A esse período de intensa aprendizagem seguiram-se viagens pela Espanha e Inglaterra. Depois de conhecer Édouard Manet, posou para ele como modelo e apaixonou-se por Eugênio, irmão do pintor, com quem se casou. Depois de participar da primeira exposição dos impressionistas, em 1874, a pintora iniciou uma série de viagens de estudo pela Itália, Países Baixos e Bélgica. Suas obras foram apresentadas em 1886 em Nova Iorque, e um ano mais tarde na Exposição Internacional de Paris. A obra de Berthe Morisot representa uma reflexão afirmativa da obra de Manet, embora com pinceladas mais longas e suaves, com tendência para a verticalização, numa tentativa de organizar a composição.

Galeria de artes
Dans la salle à manger (ca. 1875)

Le berceau. (1873).

Jeune fille mettant son bas (1880).

Femme et enfant au balcon (1872)

Portrait de Mme Morisot et de sa fille Mme Pontillon ou La lecture (1869/1870)

Hiver (1880)

 

Biografia

Nascida no seio de uma família burguesa, foi precisamente a sua família quem incentivou Berthe e sua irmã Edma a iniciar-se na arte. Morisot demonstrou o potencial das mulheres nas artes no final do século XIX. Aos 20 anos de idade, Berthe Morisot conheceu Camille Corot, importante paisagista da “Escola de Barbizon”. Corot a admitiu como sua discípula e a introduziu nos círculos artísticos. Morisot decidiu ser uma artista apesar de sua condição de grande dama, de mulher burguesa, urbana e interessada pela moda e vida ativa cultural da época, não se dedicando de forma aficionada como outras damas da sua época, mas adotando uma postura muito radical que a vincularia ao grupo de artistas impressionistas, a vanguarda do momento. Logo adquiriu a técnica impressionista de pintar ao ar livre, onde criava pequenos quadros e esboços para grandes obras que terminavam no estudo. Sua primeira participação no Salon de Paris foi em 1864 com duas paisagens e prosseguiu exibindo continuamente no Salão até 1874, ano da primeira exposição impressionista, na qual participou com “Le Berceau”. Em 1868, conheceu Édouard Manet e em 1874 se casou com Eugène Manet. Foi ela quem convenceu o mestre de pintar ao ar livre e o atraiu ao grupo de pintores que seria posteriormente os impressionistas. Mas no entanto, Manet nunca se considerou como impressionista e nem esteve de acordo em exibir com o grupo. Morisot e Camille Pissarro, foram os únicos pintores que tiveram quadros em todas as exposições impressionistas originais. Mesmo assim, Berthe foi a modelo de Manet tanto nos diversos e importantes retratos como na sua obra de grande formato “El Balcón”, onde o pintor francês demonstra a sua admiração pela obra de Goya, tratando ele mesmo o tema da sua "Majas en el balcón", obra menos conhecida na Espanha pois se encontra numa coleção particular suíça. Assim como Mary Cassatt, Eva Gonzalès ou Marie Bracquemond, Berthe Morisot foi relegada à categoria de "artistas femininas" pela sua temática da vida cotidiana (mulheres, crianças e cenas domésticas). No entanto, como mandava a doutrina impressionista, Morisot pintava a imediatez, o que via na sua vida normal. Como uma mulher da alta burguesia, estava habituada às cenas domésticas, esportes campestres e a um amplo círculo de mulheres e crianças, já que o âmbito masculino lhe estava vedado. Sem exceção, suas telas mostram alguns temas equivalentes aos de seus colegas masculinos. Edgar Degas, também da classe burguesa, pintava ensaios de ballet, corridas de cavalos, nus femininos e a própria Berthe durante a sua etapa de formação, passava como “copista” dos grandes mestres no Louvre. Claude Monet pintava os nenúfares de seu jardim, seus filhos, etc. A mulheres impressionistas pintavam seu âmbito social sobre o enfoque impressionista. Apesar disso, a figura de Berthe Morisot, junto à de outras mestres da pintura, foi ofuscada pelo conjunto do movimento, e, em especial dos pintores masculinos. A vida de Berthe Morisot foi ofuscada pela morte de Édouard Manet em 1883, a de seu esposo, Eugène Manet, em 1892, e a de sua irmã. Educou sozinha a sua filha, Julie Manet, com quem manteve sempre laços muito fortes. Ao morrer aos cinquenta e quatro anos, confiou a sua filha aos seus amigos, Edgar Degas e Stéphane Mallarmé. Faleceu no dia 2 de Março de 1895 em Paris e está sepultada no Cemitério de Passy em Paris. Atualmente, suas pinturas podem atingir valores superiores a 4 milhões de dólares.

Dans les blés. (cerca de 1875).

Citações
  • A salvação e a morte não podem olhar nos olhos uma da outra”.

- Salvation and death cannot stare each other in the eye”.
- citado em "Berthe Morisot‎" - Página 212, Anne Higonnet - University of California Press, 1995, ISBN 0520201566, 9780520201569 - 240 páginas

Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.