quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Biografia de Sushruta

सुश्रुत. (Imagem: Alokprasad at en.wikipedia).
Sushruta foi um cirurgião e professor de Aiurveda que floresceu na cidade indiana de Benares (Kashi) no século VI a.C.. O tratado médico Sushruta Samhita — compilado em sânscrito védico - é atribuído a ele. O Sushruta Samhita contém diversas referências detalhadas a doenças e procedimentos médicos. É considerado o "Pai da Cirurgia". A primeira cirurgia de catarata (oftalmologia) foi realizada por Sushruta.


Biografia

Sushruta serviu como cirurgião em Kashi, onde praticou medicina e identificou o tratamento e a origem de diversas doenças. A literatura arcaica da Índia data de antes de 1400 a.C. e a família brâmica de alfabetos apareceu no século III a.C.. As obras literárias passaram a ter maior visibilidade durante o primeiro milênio antes de Cristo, período em que surgiu o Sushruta Samhita. A obra de Sushruta foi compilada no século VI a.C.. Sushruta era familiarizado com o texto religioso Atharva-veda e sua obra é mencionada na literatura dos Brāhmaṇas, especialmente o Shatapatha Brahmana.


Legado

O material escrito mais antigo já encontrado em escavações arqueológicas a conter as obras de Sushruta é o Manuscrito Bower - que data do século IV d.C., quase um milênio depois da data em que foram escritas originalmente. As obras médicas de Sushruta e de outro médico indiano, Charaka, foram traduzidas para o árabe durante o Califado Abássida (750). Estas obras em árabe chegaram à Europa através de intermediários; na Itália, a família Branca, da Sicília, e Gaspare Tagliacozzi, de Bolonha, familiarizaram-se com as técnicas de Sushruta. Médicos ingleses viajaram até a Índia para ver rinoplastias sendo executadas por métodos nativos. Os relatos sobre as rinoplastias indianas foram publicadas na Gentleman's Magazine em 1794. Joseph Constantine Carpue passou 20 anos na Índia, estudando métodos locais de cirurgia plástica, e realizou a primeira rinoplastia de grande porte no Ocidente em 1815. Os instrumentos descritos no Sushruta Samhita foram modificados e aperfeiçoados no mundo ocidental.

Sushruta Samhita (obra)
Sushruta Samhita (सुश्रुतसंहिता) é um texto em sânscrito atribuído a Sushruta, fundador da medicina Ayurveda, ou medicina tradicional Indiana, que introduziu inovações notáveis nos campos da cirurgia. A obra contém 184 capítulos e a descrição de 1120 patologia, 700 plantas medicinais, uma análise minuciosa da anatomia, 64 preparados minerais e 57 preparados orgânicos. O texto tal como pode ser lido hoje data do século III ou IV. A cópia mais antiga que se conhece é o Manuscrito de Bower. O texto foi traduzido para o Árabe no século VIII.



Medicina Ayurveda

Ayurveda é o nome dado ao conhecimento médico desenvolvido na Índia há cerca de 7 mil anos, o que faz dela um dos mais antigos sistemas medicinais da humanidade. Ayurveda significa, em sânscrito, Ciência (veda) da vida (ayur). Continua a ser a medicina oficial na Índia e tem-se difundido por todo o mundo como uma técnica eficaz de medicina tradicional. No Brasil é praticada principalmente por psicólogos e fisioterapeutas, mas está também sendo inserida no sistema público de saúde. Segundo Rocha o governo indiano reconhece atualmente 6 racionalidades médicas distintas: a Medicina Ocidental ou Alopatia; Homeopatia; A Ayurveda; Medicina Unani; a Medicina dos Siddhas (antiga medicina e alquimia indiana, praticada no sul do subcontinente, fundamentada na tradição dos siddhas, iogues que buscam a imortalidade) e a Naturopatia (medicina natural). Ainda segundo este autor que destaca também a yogaterapia como uma profissão recente na história indiana, a graduação em Ayurveda ou BAMS (Bacharel of Ayurvedic Medicine and Surgery) dura cinco anos e meio, segue-se a pós-graduação M.D. emAyurveda ou especialização de 3 anos e o doutorado com 2 anos de duração. A medicina ayurvédica é conhecida como a mãe da medicina, pois seus princípios e estudos foram a base para, posteriormente, o desenvolvimento da medicina tradicional chinesa, árabe, romana e grega. Houve um intercâmbio de informações com o Japão, que tinha a mesma necessidade dos indianos: criar uma medicina barata para atender às suas populações muito pobres e gigantescas, por essa razão existe muito da medicina japonesa nos conceitos de ayurvédica. As duas desenvolveram técnicas muito eficientes e de baixo custo para o tratamento. A doença, para a Ayurveda, é muito mais que a manifestação de sintomas desagradáveis ou perigosos à manutenção da vida. A Ayurveda, como ciência integral, considera que a doença inicia-se muito antes de chegar à fase em que ela finalmente pode ser percebida. Assim, pequenos desequilíbrios tendem a aumentar com o passar do tempo, se não forem corrigidos, originando a enfermidade muito antes de podermos percebê-la.

Os cinco elementos e os doshas

A Ayurveda baseia-se no sistema filosófico samkhya nos cinco elementos que formam toda a manifestação material do universo. São eles éter, ar, fogo, água e terra. Toda a matéria que existe no universo provém destes 5 elementos, inclusive o corpo humano (que além da matéria, também é formado por buddhi - discernimento, ahamkara - ego e manas - mente). De acordo com o Ayurveda, quando algum dos 5 elementos está em desequilíbrio no corpo do indivíduo, inicia-se o processo da doença. Segundo essa tradição, os seres humanos são influenciados pelos 5 elementos através do dosha. Os doshas são Vata, regido por ar e éter, Pitta, regido por fogo e água, e Kapha, regido por terra e água. Todas as pessoas possuem os três doshas, mas em diferentes proporções. No momento da nossa concepção a nossa constituição é definida, isto é, os doshas que estão presentes em maior quantidade no nosso organismo. Ao nascermos, tal proporção está em equilíbrio (prakrti), mas com o tempo e a vida desregrada surge o desequilíbrio em um ou mais desses doshas (vikrti), contribuindo para o surgimento e desenvolvimento de doenças. Para o indivíduo ter o corpo saudável é necessário manter seus tecidos saudáveis e isso é possível por meio da alimentação, que deve ser feita de acordo com o estado atual do paciente, ou seja, de acordo com seu dosha predominante e com os desequilíbrios que ele possa apresentar. Os tecidos que formam o corpo humano são formados a partir dos 5 elementos, que consumimos em forma de alimento. Para o Ayurveda, a saúde de uma pessoa é medida pela força de seu agni (fogo digestivo). Um "bom agni" é capaz de extrair dos alimentos ingeridos os nutrientes necessários para formar tecidos fortes; por outro lado, quando o agni está diminuído ou é irregular (menor capacidade digestiva) a nutrição dos tecidos fica mais pobre, comprometendo a saúde e a integridade estrutural do organismo. Costuma-se ouvir muito que "você é o que você come", mas podemos concluir, com o exposto, que a medicina indiana vai além: "você é o que você consegue digerir".


A massagem ayurvédica

Além de se utilizar de alimentação adequada, fitoterapia, yoga e outras técnicas, a massagem é uma das principais técnicas utilizada pelos médicos e terapeutas ayurvédicos, por ser de baixo custo e fácil aplicação. Surgida na cultura dos Vedas (antiga etnia indiana), não é apenas uma das mais antigas e sim uma das mais completas técnicas naturais para restabelecer o equilíbrio físico e psíquico. Trata-se de uma massagem profundamente relaxante, atuando no campo físico e energético, tendo a função de purificação e manutenção da saúde corporal. Tem como objetivo restaurar o bem-estar físico, mental, energético e emocional. A massagem ayurvédica age nos sistemas: linfático (desintoxicando o organismo), circulatório (aumentando a produção de glóbulos brancos e a nutrição e oxigenação celular) e energético (reequilibrando o chakra e atuando nos sete corpos - desfazendo bloqueios emocionais). Dessa forma contribuindo na cura das principais doenças. É importante ressaltar que, para uma massagem ser ayurvédica, deve levar em consideração os doshas do paciente, seus desequilíbrios e suas características. É uma prática individualizada, específica para cada tipo de pessoa. Não existe apenas uma técnica de massagem na Ayurveda, mas sim diversas delas, que são feitas com óleos essenciais medicados, de acordo com o dosha do indivíduo. Alegadamente fortalece o sistema imunológico aumentando a quantidade de glóbulos brancos e desintoxica o organismo, mas não existem evidências. É indicada como um dos tratamentos para quase todas as doenças, principalmente: dependência química, alergias, estresse, estafa, fadiga, depressão, fibromialgia, bloqueios emocionais, problemas musculares e de coluna, lembrando que na Ayurveda não se trata a enfermidade, mas sim o indivíduo. Deve ser ministrada com cuidado em gestantes. Reconhecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) a massagem ayurvédica é utilizada por quase toda população da Índia e está sendo amplamente divulgada no mundo. Benefícios proporcionados pelo tratamento com a massagem ayurvédica: Rejuvenescimento (melhora na pele), realinhamento das estruturas óssea e muscular, aumento da auto-consciência, fortalecimento do sistema imunológico, aceleração da circulação linfática e conseqüente desintoxicação do organismo; eliminação de bloqueios, prevenção de doenças, aumento de flexibilidade, reequilíbrio dos chakras, atuação nos sete corpos sutis, maior mobilidade das articulações e possibilita uma vida mais harmoniosa e feliz.

Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.