terça-feira, 25 de março de 2014

Tim Berners-Lee: O Criador da Web

Tim Berners-Lee
Timothy John Berners-Lee (TimBL ou TBL). Nasceu em Londres, a 8 de Junho de 1955. É um físico britânico, cientista da computação e professor do MIT (Massachusetts Institute of Technology). É o criador da World Wide Web (Rede Mundial de Computadores - Internet), tendo feito a primeira proposta para sua criação a 25 de Março de 1989. Em 25 de Dezembro de 1990, com a ajuda de Robert Cailliau e um jovem estudante do CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear) implementou a primeira comunicação bem-sucedida entre um cliente HTTP (Protocolo de Transferência de Hipertexto) e o servidor através da internet. Berners-Lee é o diretor do World Wide Web Consortium (W3C), que supervisiona o desenvolvimento continuado da web. Também é o fundador da Fundação World Wide Web e é um pesquisador sênior e titular e fundador da cadeira de 3Com no Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência da Computação do MIT (CSAIL). É um diretor da The Web Science Research Initiative (WSRI) e um membro do conselho consultivo do Centro de Inteligência Coletiva do MIT. Em Abril de 2009, foi eleito como membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, sediada em Washington, D.C. Em 2004, Timothy venceu o Millennium Technology Prize, o que lhe rendeu um milhão de euros.


Vida e carreira


Berners-Lee nasceu em Londres, Inglaterra, filho de Conway Berners-Lee e Mary Lee Woods. Estudou na escola primária Sheen Mount e depois na Emanuel School em Londres, de 1969 a 1973. Depois estudou no The Queen's College, em Oxford, de 1973 a 1976, onde diplomou-se em Física. Enquanto atuava como um contratante independente no CERN, de Junho a Dezembro de 1980, Berners-Lee propôs um projeto baseado no conceito de hipertexto para facilitar a partilha e atualização de informações entre os pesquisadores. Enquanto isso, ele construiu um protótipo de sistema denominado ENQUIRE. Depois de deixar o CERN, em 1980, foi trabalhar na John Poole's Image Computer Systems, Ltd, em Bournemouth, na Inglaterra, mas retornou ao CERN em 1984 como efetivo. Em 1989, o CERN foi o maior nó da internet na Europa, e Berners-Lee viu a oportunidade de unir hipertexto com internet: "Eu só precisei tomar a idéia de hipertexto e conectá-la às ideias de Transmission Control Protocol e Domain Name System e - ta-da! - a World Wide Web". Ele escreveu a sua proposta inicial em Março de 1989, e em 1990, com a ajuda de Robert Cailliau, produziu uma revisão que foi aceita pelo seu empresário, Mike Sendall. Ele usou idéias semelhantes àquelas subjacentes ao sistema ENQUIRE para criar a World Wide Web, para o que ele projetou e construiu o primeiro navegador da Web, que também funcionava como um editor (WorldWideWeb, rodando no sistema operacional NEXTSTEP) e o primeiro servidor Web, o CERN httpd (abreviação para HyperText Transfer Protocol daemon). O primeiro site foi construído no CERN e foi posto on line em 6 de Agosto de 1991. Info.cern.ch foi o endereço do primeiro web site e servidor web da história, rodando em um computador NeXT no CERN. O primeiro endereço de página web foi http://info.cern.ch/hypertext/WWW/TheProject.html, centrada em informações sobre o projeto WWW. Visitantes poderiam aprender mais sobre hipertexto, detalhes técnicos para a criação de sua própria página web e até mesmo uma explicação sobre como pesquisar a Web para obter informações. Não há imagens da tela desta página original e, em qualquer caso, alterações foram feitas diariamente com a informação disponível na página WWW quando o
Tim Berners-Lee em 2005.
projeto desenvolveu-se. Pode-se encontrar uma cópia mais tardia (1992) no website do World Wide Web Consortium. Havia uma explicação sobre o que a World Wide Web era e como alguém poderia usar um browser e configurar um servidor web. Em 1994, Berners-Lee fundou o World Wide Web Consortium (W3C) no MIT. É composto por várias empresas que estavam dispostas a criar normas e recomendações para melhorar a qualidade na Web. Berners-Lee deixou sua ideia disponível livremente, sem patente e sem royalties devidos. O World Wide Web Consortium decidiu que as suas normas deveriam ser baseadas em tecnologia livre de royalties, de modo que pudessem ser facilmente adotada por qualquer um. Em Dezembro de 2004, aceitou uma cadeira de Ciência da Computação da Faculdade de Eletrônica e Ciências da Computação da Universidade de Southampton, na Inglaterra, para trabalhar em seu novo projeto, o Web semântica. Em Junho de 2009, o primeiro-ministro Gordon Brown anunciou que Berners-Lee iria trabalhar com o governo britânico para ajudar a tornar os dados mais abertos e acessíveis na Web, com base no trabalho da Força-Tarefa de Poder da Informação Task Force. Foi também uma das vozes pioneiras em favor da neutralidade da rede e manifestou a opinião de que provedores devem fornecer "conectividade sem restrições", e não deveriam nem controlar nem monitorar as atividades dos navegadores dos clientes sem o seu consentimento expresso. Recentemente, Tim Berners-Lee foi considerado um dos maiores gênios vivos do mundo, segundo o levantamento "Top100 Living Geniuses", da consultoria Creators Synectics.

O primeiro sítio Web


O primeiro website (sítio) que Tim Berners-Lee construiu - inicialmente unicamente com página de texto - foi no CERN e foi colocada online em 7 de Agosto de 1991. Oferecia uma explicação sobre o que a World Wide Web era, como alguém poderia criar um navegador, como instalar e configurar um servidor web, e assim por diante. Foi também o primeiro diretório



World Wide Web


O histórico logo de WWW, feito por Robert Cailliau.
A World Wide Web (termo da língua inglesa que, em português, se traduz literalmente por "teia mundial"), também conhecida como Web e WWW, é um sistema de documentos em hipermídia (hipermédia) que são interligados e executados na Internet. Os documentos podem estar na forma de vídeos, sons, hipertextos e figuras. Para visualizar a informação, pode-se usar um programa de computador chamado navegador para descarregar informações (chamadas "documentos" ou "páginas") de servidores web (ou "sítios") e mostrá-los na tela do usuário (no ecrã do utilizador, em português de Portugal). O usuário (utilizador) pode então seguir as hiperligações na página para outros documentos ou mesmo enviar informações de volta para o servidor para interagir com ele. O ato de seguir hiperligações é, comumente, chamado "navegar" ou "surfar" na Web.


História


As ideias por trás da Web podem ser identificadas ainda em 1980, no CERN- Organização Europeia para a Investigação Nuclear (Suíça), quando Tim Berners-Lee construiu o ENQUIRE. Ainda que diferente da Web atualmente, o projeto continha algumas das mesmas ideias primordiais, e também algumas idéias da web semântica. Seu intento original do sistema foi tornar mais fácil o compartilhamento de documentos de pesquisas entre os colegas. A 21 de Março
Tim Berners Lee no Campus Party Brasil.
de 1989, Tim Berners-Lee escreveu uma proposta de gerenciamento de informação, que referenciava o ENQUIRE e descrevia um sistema de informação mais elaborado. Com a ajuda de Robert Cailliau, ele publicou uma proposta mais formal para a World Wide Web no final de 1990. Um computador NeXTcube foi usado por Berners-Lee como primeiro servidor web e também para escrever o primeiro navegador, o WorldWideWeb, em 1990. No final do mesmo ano, Berners-Lee já havia construído todas as ferramentas necessárias para o sistema: o navegador, o servidor e as primeiras páginas web, que descreviam o próprio projeto. Em 6 de Agosto de 1991, ele postou um resumo no grupo de notícias alt.hypertext. Essa data marca a estréia da Web como um serviço publicado na Internet. O conceito crucial do hipertexto originou-se em projetos da década de 1960, como o projeto Xanadu e o NLS. A idéia revolucionária de Tim foi unir o hipertexto e a Internet. Em seu livro Weaving The Web, ele explica que sugeriu repetidamente o casamento das tecnologias para membros de ambas as comunidades de desenvolvedores. Como ninguém implementou sua ideia, ele decidiu implementar o projeto por conta própria. No processo, ele desenvolveu um sistema de identificação global e único de recursos, o Uniform Resource Identifier (URI). Sistemas anteriores se diferenciavam da Web em alguns aspectos. Na Web, uma hiperligação é unidirecional, enquanto que trabalhos anteriores somente tratavam de ligações bidirecionais. Isso tornou possível criar uma hiperligação sem qualquer ação do autor do documento sendo ligado, reduzindo significativamente a dificuldade em implementar um servidor Web e um navegador. Por outro lado, o sistema unidirecional é responsável por o que atualmente chama-se hiperligação quebrada, isto é, uma hiperligação que aponta para uma página não disponível devido à evolução contínua dos recursos da Internet com o tempo. Diferente de sistemas anteriores como o HyperCard, a World Wide Web não era software proprietário, tornando possível a criação de outros sistemas e extensões sem a preocupação de licenciamento. Em 30 de Abril de 1993, a CERN anunciou que a World Wide Web seria livre para todos, sem custo. Nos dois meses após o anúncio de que o gopher já não era mais livre, produziu-se uma mudança para a Web. Um antigo navegador popular era o ViolaWWW, que era baseado no HyperCard. Considera-se que a grande virada (viragem) da WWW começou com a introdução do Mosaic em 1993, um navegador gráfico desenvolvido por um time (uma equipa) de desenvolvedores (investigadores) universitários. Antes de seu lançamento, os gráficos não eram frequentemente misturados com texto em páginas web.


Funcionamento


Visualizar uma página web ou outro recurso disponibilizado normalmente inicia ou ao digitar uma URL (Uniform Resource Locator, em português Localizador-Padrão de Recursos) no navegador ou seguindo (acessando) uma hiperligação. Primeiramente, a parte da URL referente ao servidor web é separada e transformada em um endereço IP (Internet Protocol) por um banco de dados da Internet chamado Domain name system (DNS). O navegador estabelece, então, uma conexão TCP-IP com o servidor web localizado no endereço IP retornado. O próximo passo é o navegador enviar uma requisição HTTP ao servidor para obter o recurso indicado pela parte restante da URL (retirando-se a parte do servidor). No caso de uma página web típica, o texto HTML é recebido e interpretado pelo navegador, que realiza então requisições adicionais para figuras, arquivos de formatação, arquivos de script e outros recursos que fazem parte da página. O navegador, então, renderiza (reconstitui) a página na tela do usuário (utilizador), assim como descrita pelos arquivos que a compõe.


Padrões


A funcionalidade da Web é baseada em três padrões:

  • URI, um sistema que especifica como cada página de informação recebe um "endereço" único onde pode ser encontrada. Esse padrão é definido em RFC 1738 (URL, em dezembro de 1994) e RFC 3986 (URI, em Janeiro de 2005).
  • HTTP, um protocolo que especifica como o navegador e servidor web comunicam entre si. Esse padrão é definido em RFC 1945 (HTTP/1.0, maio de 1996), RFC 2616 (HTTP/1.1, junho de 1999) e RFC 2617 (autenticação HTTP).
  • HTML, uma linguagem de marcação para codificar a informação de modo que possa ser exibida em uma grande quantidade de dispositivos. Esse padrão é definido em HTML 1, RFC 1866 (HTML 2.0), HTML 3.2, HTML 4.01, HTML 5 e XHTML.
     

Evolução do código


Web é todo o conteúdo que o usuário final pode acessar na rede. Sendo que, a web já passou por transformações evolutivas - evolução do código e dentre elas existem a: WEB 1.0, WEB 2.0 E WEB 3.0.


Web 1.0


A web 1.0 é considerada como estática, sendo que seus conteúdos não podem ser alterados pelos usuários (utilizadores) finais. Todo o conteúdo da página é somente leitura, por isso o termo estático. Na web 1.0, não existia a interatividade do usuário com a página, onde somente o webmaster ou o programador pode realizar alterações ou atualizações da página.


Web 2.0


A web 2.0 é o que usamos atualmente, destaca-se por ser dinâmica, ao contrário da web 1.0 que é estática. Referindo-se à web 2.0, dinâmico indica a interatividade e participação do usuário final com a estrutura e conteúdo da página. Nela, o usuário final pode postar comentários, enviar imagens, compartilhar arquivos e fazer milhares de outras coisas que a web 1.0 não permitia. Outra grande mudança entre a web 1.0 e a web 2.0 foi que o usuário diminuiu a taxa de download e aumentou a de upload, o que indica que o usuário está interagindo mais com a web e trocando mais informações por compartilhamento. A Web 2 é chamada de Web participativa ou colaborativa.


Web 3.0


A web 3.0 é uma evolução da 2.0, pois tem o intuito de mudar as formas de pesquisas para facilitar a vida do usuário da web 2.0, a fim de que possa suprir as necessidades de hoje que são consideradas extravasamento de dados, ou seja, o usuário está postando muitos dados aleatoriamente e isso dificulta a localização. A web 3.0 também vem incrementar a interatividade entre homem e máquina, melhorando as linguagens de programação para que o homem e a máquina falem a mesma língua. Como exemplo, podemos utilizar o Google que inovou seu site com uma nova forma de pesquisa interativa: o usuário pode encontrar informações sobre o arquivo que ele adicionou na barra de pesquisa do site do Google. Essa é uma das formas que podemos apresentar a web 3.0 que ainda é só um conceito que está chegando a sua fase final e entrando em aplicação. A Web 3 é chamada de Web semântica ou marketing.


Webwriting


Pode-se pensar que webwriting é apenas uma técnica para escrever conteúdos digitais, mas o conceito é bem mais amplo, diretamente relacionado ao mundo WWW. As técnicas que facilitam a interpretação de um conteúdo em ambientes digitais engloba o conceito de webwriting. A reprodução de uma foto, um texto mais sintetizado e mais objetivo, as cores a serem usadas nas páginas web, o posicionamento dos links e os formatos de navegação são algumas das preocupações trabalhadas dentro do webwriting.

Tecnologias relacionadas


Navegador


O navegador é um programa de computador usado para visualizar recursos da WWW, como páginas web, imagens e vídeos. Com ele também é possível por comunicar-se com o servidor web a fim de receber ou enviar informações. O primeiro navegador desenvolvido no CERN foi o WorldWideWeb, pelo próprio Tim Berners-Lee, para plataforma NeXTSTEP em 1990. Mas, mais adiante, surgiram outros navegadores, como o Viola, da Pei Wei (1992). Marc Andreessen, da NCSA lançou um navegador chamado "Mosaic para X" em 1993 que causou um tremendo aumento na popularidade da Web entre usuários novos. Andreesen fundou a Mosaic Communication Corporation (hoje Netscape Communications). Características adicionais como conteúdo dinâmico, música e animação podem ser encontrados em navegadores modernos. Frequentemente, as capacidades técnicas de navegadores e servidores avançam muito mais rápido que os padrões conseguem se ajustar, por isso não é incomum que essas características não funcionem propriamente em todos os computadores. A necessidade de encontrar exatamente a informação desejada surgiu com a WWW: desta constatação, vieram os primeiros motores de busca.


Plataforma Java


Um avanço significativo da Web foi a plataforma Java, desenvolvida pela Sun Microsystems. Ela permite que páginas web incrustem pequenos programas (chamados applets) diretamente dentro da informação enviada que será rodada no computador do usuário. Esses applets são executados na própria máquina cliente, fornecendo uma experiência mais rica para o usuário. Essa tecnologia nunca ganhou a popularidade que a Sun esperava, por uma variedade de razões, incluindo falta de integração com outros conteúdos e o fato de que a JVM (máquina virtual necessária para a execução do conteúdo) ter que ser instalada antes do uso. Atualmente, o Adobe Flash realiza várias das funções originalmente visadas aos applets Java, como apresentação de vídeo, animação e interfaces gráficas ricas.


JavaScript


O JavaScript é uma linguagem de computador interpretada desenvolvida originalmente para uso em páginas web, cuja versão padronizada é ECMAScript. Ainda que seu nome seja similar ao da linguagem Java, o JavaScript foi desenvolvido pela Netscape e não possui semelhanças com o Java. Em conjunto com a tecnologia de Document Object Model, o JavaScript tornou-se um método bastante poderoso de manipulação de páginas web.


AJAX


Em sua forma mais simples, todas as informações opcionais e ações em uma página web com JavaScript são carregadas do servidor web ao navegador quando a página é carregada. O AJAX é uma tecnologia baseada em JavaScript que fornece um método no qual pequenas partes de uma página web podem ser atualizados sem a necessidade de atualização de toda a página. O AJAX é visto como um importante aspecto do que chama-se Web 2.0.


Plataforma Flash


Adobe Flash (antes: Macromedia Flash), ou simplesmente Flash, é um software primariamente de gráfico vetorial - apesar de suportar imagens bitmap e vídeos - utilizado geralmente para a criação de animações interativas que funcionam embutidas num navegador web. O produto era desenvolvido e comercializado pela Macromedia, empresa especializada em desenvolver programas que auxiliam o processo de criação de páginas web.


CGI


Consiste em uma tecnologia que permite que programas interpretados gerem páginas web dinâmicas, permitindo a um navegador passar parâmetros para o servidor web para, então, receber o resultado do processamento. É uma especificação independente de linguagem de programação.


Aspecto profissional


O surgimento da Web representou uma nova fronteira profissional para diversos setores. À época do seu "estouro" comercial, jornalistas, publicitários, designers, escritores, redatores, fotógrafos, além é claro de programadores, e webmasters e demais especialistas afluíram ao mercado, criando e desenvolvendo empresas com os mais variados objetivos. Com o tempo, o capital de risco, utilizado para fundar e fazer operar as primeiras empresas afastou-se, levando-as à falência. Foi a chamada "bolha". Hoje, o cenário mostra-se diverso, com investidores cautelosos, grandes corporações investindo com bastante cuidado e uma imensa legião de profissionais freelancers atendendo a seus clientes diretamente.



História da World Wide Web



A World Wide Web, a Rede de alcance mundial em português ("WWW" ou simplesmente "Web") é um meio de comunicação global no qual usuários podem ler e escrever através de computadores conectados à Internet. O termo Web é usado erroneamente como sinônimo da própria Internet, sendo a Web apenas um serviço que utiliza a Internet, assim como as mensagens de e-mail; a História da Internet antecede bastante a da Rede de alcance mundial. A parte que tem hipertexto da Web tem uma história complicada; notáveis influências e precursores incluem o Memex de Vannevar Bush, a Standard Generalized Markup Language (SGML) da IBM e o Projeto Xanadu de Ted Nelson. O conceito de um sistema de informações global/doméstico é tão antigo quanto en: A Logic Named Joe, uma pequena história de 1946 criada por Murray Leinster. Nela, todas as casas possuíam terminais de computador, chamados logics. Embora fosse um sistema centralizado de forma autônoma a história reflete o sentimento de ubiquidade da informação, que veio com a Web.


Invenção da World Wide Web


" Em 31 de Fevereiro de 2013(?) escrevi um artigo ao Chefe do Grupo SW (do CERN) Les Robertson, para descrever um projeto piloto a fim de instalar e avaliar o protocolo TCP/IP em algumas máquinas não Unix do CERN [...] Cerca de 1990 o CERN tinha-se tornado o maior sítio Internet da Europa e isto [...] e do mundo. Um resultado chave de todos estes factos foi que cerca de 1989 a rede internet do CERN estava a tornar-se a media a partir do qual Tim Berners-Lee viria a criar a World Wide Web como um idei verdadeiramente ideal... " - Ben Segal, Short History of Internet Protocols at CERN, April 1995.

O desenvolvimento da World Wide Web até 1991 começou em 1980 quando o inglês Tim Berners-Lee, um funcionário contratado do CERN - Organização Europeia para a Investigação Nuclear, na Suíça, desenvolveu o ENQUIRE, um projeto usado para reconhecer e armazenar associações de informação. Cada nova página no ENQUIRE deveria estar ligada a uma página existente. Em 1984, Berners-Lee voltou ao CERN e se deparou com problemas de apresentação de informações: cientistas em volta do mundo precisavam
Berners-Lee em 2012.
compartilhar dados, utilizando plataformas e logiciários diferentes. Ele redigiu uma proposta em março de 1989 para um grande banco de dados com hiperligações, mas isso gerou pouco interesse. Seu chefe, Mike Sendall, o encorajou a implementar seu sistema na recém adquirida estação de trabalho NeXT. Ele considerou vários nomes, incluindo Information Mesh, The Information Mine (o que foi recusado, pois é a abreviação de TIM, o seu próprio prenome) ou Mine of Information (também recusado porque abrevia MOI, que é eu, em francês), decidindo finalmente por World Wide Web. Ele teve um colaborador entusiasmado em Robert Cailliau, que reescreveu a proposta (publicada em Maio de 1990) e conseguiu recursos no próprio CERN. Berners-Lee e Cailliau defenderam sua ideias na Conferência Europeia de Tecnologia de Hypertexto em Setembro 1990, mas não acharam investidores interessados na perspectiva de unir o hipertexto com a Internet. No natal de 1990, Berners-Lee tinha construído as ferramentas necessárias para o funcionamento da Web: o Protocolo de Transferência de Hipertexto (HTTP), a Linguagem de marcação de hypertextos (HTML), o primeiro navegador (browser), chamado WorldWideWeb, o primeiro servidor HTTP (conhecido depois como CERN httpd), o primeiro servidor web o http://info.cern.ch e as primeiras páginas Web que descreviam o projeto todo. O browser podia acessar grupos de notícias e também arquivos FTP. Porém, ele podia rodar apenas no NeXT; Nicola Pellow então criou um navegador para texto que podia rodar em quase todos os computadores como Unix, Microsoft DOS. Para encorajar a sua utilização no CERN, eles colocaram a lista de telefones do CERN na Web e os usuários tinham que fazer o login no mainframe apenas para ver números telefônicos. Paul Kunz do Centro de Aceleração Linear de Stanford (SLAC) visitou o CERN em Maio de 1991 e ficou apaixonado pela Web. Levou consigo o NeXT para o SLAC, onde a bibliotecária Louise Addis adaptou-o para o Sistema operativo VM/CMS no Mainframe IBM como um modo de mostrar o catálogo de documentos do SLAC em linha (online); foi o primeiro servidor web fora da Europa e o primeiro na América do Norte. No dia 6 de Agosto de 1991, Berners-Lee publicou um pequeno resumo do projeto da World Wide Web no alt.hypertext newsgroup. Essa data marca o nascimento da Web como um serviço público da Internet, embora novos usuários somente acessaram ela a partir de 23 de Agosto. Por esta razão, esta última data é considerada o dia do internauta.

O projeto WorldWideWeb (WWW) tem por objetivo permitir que todas as ligações possam ser feitas com qualquer informação, não importando onde elas se encontrem. [...] O projeto WWW foi lançado para permitir que os físicos de altas energias possam trocar informações, notícias e documentos. Estamos muito interessados em alargar a web a outras áreas e ter servidores de portas de ligação (Gateway) para outros dados. Os colaboradores são bem-vindos! - da primeira mensagem de Tim Berners-Lee.

Curiosamente, uma das primeiras contribuições do CERN na Web foi a do grupo burlesco musical feminino Les Horribles CERNettes (as Horríveis raparigas do CERN), cujas imagens de promoção passam por ser das primeiras imagens da Web.


Desenvolvimento entre 1992 a 1995


Ligados desde o nascimento no CERN, os primeiros a adotar a World Wide Web foram os departamentos de pesquisa das universidades ou laboratórios de física, como Fermilab e SLAC. Os primeiros Websites mesclavam ligações utilizando tanto o protocolo HTTP como o então popular protocolo Gopher, que provinha acesso ao conteúdo por meio de menus apresentados como sistema de arquivo ao invés de arquivos HTML. Os primeiros utilizadores da Web navegavam ora salvando cada página consultada nos favoritos (bookmarks), como no primeiro sítio (Portugal) ou site (Brasil) web de Berners-Lee, http://info.cern.ch/, ora consultando listas com informações atualizadas tais com as páginas das novidades - "What's New" - do National Center for Supercomputing Applications (NCSA). Alguns sítios também eram indexados por Wide area information server (WAIS) o que permitia aos utilizadores enviar pesquisas de informações semelhantes aos posteriores motor de pesquisa.


Primeiros navegadores


Até Abril de 1992, os navegadores só mostravam informações em formato texto, altura em que apareceram os primeiros navegadores que permitiam a visualização de gráficos, o Erwise, uma aplicação desenvolvida na Universidade de Tecnologia de Helsínquia, e um outro ViolaWWW criado em Maio por Pei-Yuan Wei, que permitiam não só ver os gráficos como animações. Os dois programas funcionavam tanto no X Window System como em Unix. O grande impulso à WWW foi a introdução de Mosaic em 1993, um navegador gráfico criado na NCSA sobre a direção de Marc Andreessen para ser integrado no Website da Universidade de Ilinóis onde ele e Eric Bina haviam começado no ano anterior a desenvolver a ideia de um navegador multi-plataformas. Depois da graduação Marc Andreessen associou-se a um anterior chefe da Silicon Graphics e iniciaram a comercialização o Mosaic que passou a chamar-se Netscape em Abril 1994.


Expansão da Web


Todos os anos se realiza uma Conferência Internacional da World Wide Web e a primeira foi organizada no CERN por Robert Cailliau em Maio de 1994. Em Abril de 1993 o CERN abriu o protocolo da Web para utilização pública livre de royalties, em reação à Universidade de Minesota ter informado que ia cobrir direitos de utilização do protocolo Gopher.


W3C


Em Setembro de 1994, Berners-Lee fundou o Consórcio da World Wide Web (W3C) no Instituto de Tecnologia de Massachusetts com o apoio da DARPA dos E.U.A. e a Comissão Europeia. Tal como o havia feito o CERN, o W3C também deixou libre acesso ao código para ser implementado sem pagamento de direitos. Em 2002 aparece a Web 2.0 e Tim Berners-Lee pré-visualiza assim a Web semântica:

Espero que a Web se torne capaz de analisar toda a informação e dados, ligações e transações entre pessoas e computadores. Ainda se tem que inventar uma Web semântica capaz de tal realizar coisa, mas quando ela chegar o dia-a-dia do comércio, da burocracia e as nossas vidas de todos os dias vai fazer-se com máquinas que falam com máquinas.

 

Comercialização da Web


Foi entre 1999 e 2001 que se assistiu à explosão dos .com (Dot-com) e há quem o compare ao desenvolvimento dos comboios dos anos 1840, do automóvel no início do século XX, da rádio dos anos 1920 e aos computadores caseiros dos anos 1980. Em breve se seguiram todos os E-comércios, e E-ciência antes da explosão da computação em grelha, outra invenção do CERN para satisfazer as enorme exigência de cálculo necessário nas experiências do LHC.

Primeiros sistemas da WWW

Berners-Lee usou este NeXTcube na CERN para criar o primeiro servidor web do mundo.

  


  • Servidor Web num NeXT Computer utilizado por Sir Tim Berners-Lee no CERN
  • Certamente um dos primeiros routers IP na Europa, um Cisco ASM/2-32EM
  • Placa comemorativa do navegador web Mosaic na NCSA

Ao lado do computador vê-se uma cópia do documento "Information Management: A Proposal (em inglês)", a proposição de Berners-Lee ao seu chefe, nos finais dos anos 80, para a criação da World Wide Web. Sobre o computador mesmo e a vermelho DO NOT POWER IT DOWN!! Esta máquina é um servidor, NÃO O DESLIGUE!!

Internet Society


Membro fundador da Internet Society, o CERN festejou o vigésimo aniversário da sua fundação durante uma conferência, no CERN, do 22 ao 24 de Abril 2012.

Referências




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.