segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Biografia de Leucipo de Mileto


Leucipo
Leucipo de Mileto. (em grego antigo: Λεύκιππος; primeira metade do século V a.C.). Foi um filósofo grego. Tradicionalmente, Leucipo é considerado o mestre de Demócrito de Abdera e, talvez, o verdadeiro criador do atomismo (segundo a tese de Aristóteles), que relatava que uma matéria pode ser dividida até chegar em uma pequena partícula indivisível chamada átomo. Sobre suas origens praticamente nada é conhecido, mas o lugar mais provável de seu nascimento é Mileto na Ásia Menor; em seguida mudou-se para Abdera. Parece ter sido contemporâneo de Anaxágoras de Clazômenas e de Sócrates. A tradição lhe atribui a autoria de um único livro intitulado A Grande Ordem do Mundo, também chamada Grande Cosmologia, um texto muito diferente da Pequena Cosmologia de Demócrito. Talvez tenha escrito um segundo livro, que teria se chamado Sobre o Espírito, mas este escrito pode ter sido apenas um capítulo da obra anterior.



Biografia

Muito pouco se sabe de sua vida, e, inclusive Epicuro considerou a possibilidade de que Leucipo no tenha existido, o qual deu origem a numerosos debates. Considera-se mais provável que tenha nascido em Mileto, Asia menor, como também têm as possibilidades de Abdera, Melos, Elea ou Clazomenes. Posteriormente mudou-se para Eléia, onde teria sido discípulo de Parmênides e de Zenão de Eléia e mestre de Demócrito. A ele são atribuídas as obras A Ordenação dos Cosmos e Sobre a Mente, já que este segundo livro podo ser um capítulo da obra anterior. O que se sabe de seu pensamento se encontra nos fragmentos de obras de outros autores como Aristóteles, Simplício ou Sexto Empírico. Diz-se que Demócrito inventou Leucipo como seu mestre para ganhar prestígio e para que apoiassem a sua teoria, já que que Leucipo era tido como um grande físico, discípulo de Parmênides, de Zenão de Eléia ou de Pitágoras. Foi mestre de Demócrito, e a aos dois são lhes atribuídos a fundação do Atomismo, segundo a qual a realidade está formada tanto por partículas infinitas, indivisíveis, de formas variadas e sempre em movimento, os átomos (do grego ἄτομοι, o que não se pode ser dividido), como pelo vácuo. Assim, talvez em resposta a Parmênides, afirma que existe tanto o ser como o não-ser: o primeiro está representado pelos átomos e o segundo pelo vácuo, que não é nada menos do que o ser sendo imprescindível para que exista movimento. Particularmente, postula, como Demócrito, que a alma está formada por átomos mais esféricos que os componentes das demais coisas. Nega a gênese e a corrupção, formas de câmbio que eram aceitas quase que por unanimidade entre os filósofos pré-socráticos.

Citações de Leucipo

  • "Nada acontece ao acaso (maten), mas tudo a partir de razão (logou ek), e por necessidade."

- Diels-Kranz 67 B1


Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.