segunda-feira, 29 de julho de 2013

Biografia de André-Marie Ampère



André-Marie Ampère
André-Marie Ampère. Físico e matemático francês. Nasceu em Lyon, a 20 de Janeiro de 1775, e, faleceu em Marselha, a 10 de Junho de 1836. Em 1820, Ampère formula as leis da ação eletrodinâmica , e, em 1827, cria a eletrodinâmica. Tendo se dedicado a vários ramos do saber humano, veio a distinguir-se no estudo das ciências físicas e matemáticas. Professor de física no Collège de France. Descobriu a ação mútua existente entre duas correntes elétricas e enunciou as leis que regem as atrações e repulsões. Deixou importantes obras: La Théorie dês phènomènes Électro - Dynamiques; Essai sur la Philosophie des Sciences, entre outras mais. Morreu em Marselha, em 1836.




Biografia


Casa onde Ampère passou a infância,
hoje Museu Ampère.
Nasceu em Lyon, foi professor de análise na École Polytechnique de Paris e no Collège de France. Em 1814 foi eleito membro da Académie des Sciences. Ocupou-se com vários ramos do conhecimento humano, deixando obras de importância, principalmente no domínio da física e da matemática. Partindo das experiências feitas pelo dinamarquês Hans Christian Oersted sobre o efeito magnético da corrente elétrica, soube estruturar e criar a teoria que possibilitou a construção de um grande número de aparelhos eletromagnéticos. Além disso descobriu as leis que regem as atrações e repulsões das correntes elétricas entre si. Idealizou o galvanômetro, inventou o primeiro telégrafo elétrico e, em colaboração com François Arago, o eletroímã. Entre suas obras, ele deixou por terminar Ensaio sobre a filosofia das Ciências, na qual iniciou a classificação do conhecimento do homem. Publicou "Recueil d'Observations électro-dynamiques"; "La théorie des phénomènes électro-dynamiques"; "Précis de la théorie des phénomènes électro-dynamiques"; "Considérations sur la théorie mathématique du jeu"; "Essai sur la philosophie des sciences". Em sua homenagem, foi dado o nome de ampère (símbolo: A) à unidade de medida da intensidade de corrente elétrica. O seu filho Jean-Jacques Ampère (1800-1864) foi filólogo, erudito, viajante e historiador literário francês. André-Marie Ampère foi uma criança precoce e, antes de conhecer os números fazia cálculos usando pedras e migalhas de pão. Seu pai, Jean-Jacques Ampère, era um seguidor fervoroso de Jean-Jacques Rousseau e, segundo o seu livro "Emílio, ou Da Educação", lhe deu uma instrução sem obrigação: Ampère nunca foi à escola, exceto para ensinar a si mesmo. Seu pai ensinou ciências naturais, poesia e latim, até que descobriu o interesse e o talento de seu filho para a aritmética. Desde os quatro anos lia Buffon (Georges-Louis Leclerc). Em 1793, ele sofreu uma profunda depressão com a morte de seu pai, que se aposentou como juiz em Lyon e se opôs fortemente aos excessos revolucionários que levaram à revolta contra a Convenção Nacional de Lyon, em pouco tempo foi preso e executado no dia 15 de Novembro. Em 1796, André-Marie conheceu Julie Carron, com quem se casou em 1799. A partir de 1796, Ampère deu aulas particulares em Lyon de matemática, química e línguas. Em 1801, obtém o cargo de Professor de Física e Química na França , em Bourg-en-Bresse, na École centrale de Ain, deixando em Lyon sua esposa e filho (chamado Jean-Jacques, em honra de seu pai). Sua esposa morreu em 1803. Seu pequeno tratado, publicado em 1802, Considérations sur la théorie mathématique du jeu (Considerações sobre a teoria matemática do jogo) atrai a atenção de Jean Baptiste Joseph Delambre, cuja recomendação lhe permitiu ser nomeado professor de Matemática transcendente na escola preparatória de Lyon [hoje em dia, Escola Ampère]. Em 1804, nomeado professor particular na École Polytechnique, ele se estabelece em Paris. Em 1806, ele se casa com a sua segunda esposa, Jeanne-Françoise Potot, que morreu em Versailles, em 1866, aos 88 anos de idade. Eles tiveram uma filha chamada Albine. Em 1808, ele foi nomeado Inspetor Geral da Universidade e professor de matemática na École Polytechnique, tornando-se mais popular do que o grande matemático Augustin Louis Cauchy. Ampère morreu durante uma jornada de inspeção na enfermaria do liceu Thiers de Marsella em 1836 aos 61 anos de idade.


Seus descobrimentos


Estátua de Ampère em Lyon. 
(Imagem: Charles Textor Pramzan).
Ampère trabalhou igualmente na matemática, concentrando-se na teoria das probabilidades e na integração das equações diferenciais parciais. Em 1820, a partir do experimento de Hans Christian Oersted, estudou a relação entre o magnetismo e a eletricidade. Descobriu que a direção que toma uma agulha de uma bússola depende do sentido da corrente elétrica que circula em volta, e deduziu a partir disto a regra chamada ampère”. Das leis de Ampère, a mais conhecida é a da eletrodinâmica. Esta descreve as forças que dois condutores paralelos atravessados por uma corrente eléctrica exercem um sobre o outro. Se o sentido da corrente é o mesmo dos condutores, eles se atraem, se a corrente é de sentido oposto, os condutores se repelem. Descobriu também a relação que existe entre a intensidade da corrente e o campo magnético correspondente. Estes trabalhos fundam a eletrodinâmica e influenciam consideravelmente a física do século XIX. Ampère interpreta a o fenômeno do magnetismo com a teoria molecular atual, em que minusculas partículas eletricamente carregadas, estariam em movimento dentro do condutor. Esta teoria foi rejeitada pelos cientistas da época, e não se impôs, até 60 anos mais tarde, com a descoberta do elétron. Além de seus trabalhos em termodinâmica, procurou explicar certos fenômenos químicos com a geometria das moléculas e emite, como Avogadro, a hipótese de que o número de moléculas contidas num gás é proporcional ao seu volume. André-Marie Ampère foi titular de Física geral e experimental do Collège de France, sucedendo a Louis Lefèvre-Gineau e sendo substituído por Félix Savart. Está enterrado no cemitério de Montmartre em Paris. Inventou o galvanômetro, o primeiro telégrafo elétrico e, juntamente com François Arago, o eletroímã. Foi graças à Ampère que se deu a conhecer o termos corrente elétrica e tensão elétrica. Além disso, na discussão pela natureza do cloro, ele foi um dos primeiros a defender por o cloro: corpo simples”, contra a idéia até então estendida de: “cloro: composto oxigenado do ácido muriático (hoje: ácido clorídrico). Amigo de Pierre-Simon Ballanche e de Gilles Coupier, de filosofia pessoalmente inquieta, Ampère também publicou uma importante classificação das ciências.

O Ampère


O ampère ou ampere (símbolo: A) é uma unidade de medida do Sistema Internacional de Unidades de intensidade de corrente elétrica. O nome é uma homenagem ao físico francês André-Marie Ampère (1775-1836).

Definição


Medalha André-Marie Ampère. 
(Imagem: Selvejp).
Relativo à qualidade, o ampere "é atualmente definido em termos de uma corrente que, se mantida em dois condutores paralelos retos de tamanhos e em posições específicas, irão produzir uma certa quantidade de força magnética entre os condutores". Quantitativamente, um ampere é definido como a corrente que produz uma força atrativa de 2 × 10−7newton por metro de comprimento entre dois condutores retos paralelos de comprimento infinito e secção circular desprezível colocadas a um metro de distância uma da outra no espaço livre. A definição é baseada na lei de Ampère. O ampere é uma unidade fundamental do SI, juntamente com o metro, kelvin, segundo, mol, candela e o quilograma: ele é definido sem a referência de quantidade de carga elétrica. É calculado por A=C/s, ou coulomb por segundo. Esta unidade do Sistema Internacional é nomeada em homenagem a André-Marie Ampère‎. Assim como todas as unidades do SI cujo nome se derivam de nome próprio de uma pessoa, a primeira letra do símbolo é maiúscula (A). Quando uma unidade do SI é escrita, deve-se sempre empregar letras minúsculas (ampere ou ampère), exceto nos casos em que qualquer outra palavra seria escrita com maiúsculas, como no começo de uma frase ou em um título. Basado em The International System of Units, seção 5.2.


Citações de Ampère (em espanhol)
Túmulo de Ampère. 
(Imagem: Didier Descouens).
  • Oye a los hombres sabios, pero hazlo solo con un oído... Deja que el otro esté siempre preparado para recibir los dulces acentos de la voz de tu Amigo celestial”.


    • Meditación, Septiembre de 1805
  • “La futura ciencia del gobierno debería ser llamada cibernética”. (1834)
    • Essai sur la philosophie des sciences, ou Exposition analytique d'une classification naturelle de toutes les connaissances humaines (1834).


  • “Trabaja con el espíritu de oración. Estudia las cosas de este mundo, es tu deber; pero míralas solamente con un ojo, y el otro esté fijo en las realidades eternas. Ocúpate de las cosas de este mundo con una mano. Con la otra cógete a Dios como un niño se coge al vestido de su padre... Que mi alma, de hoy en adelante, quede así unida a Dios por Jesucristo”.


Distinções

Em vida, Ampère foi reconhecido por seus amigos como um erudito de primeira categoria. Em 1808, Napolão nomeou-o Inspetor-Geral da recém fundada Universidade Imperial Francesa.

    Em 1814, foi eleito membro da Academia de Ciências em Paris. Também foi membro de diversas academias européias, e era relacionado com a maioria dos gênios de sua época.

Assinatura


Referências
http://pt.wikipedia.org/wiki/André-Marie_Ampère
http://es.wikipedia.org/wiki/André-Marie_Ampère
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ampere
http://es.wikiquote.org/wiki/André-Marie_Ampère

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.