terça-feira, 23 de julho de 2013

A Origem da charrete Verdine


Verdine de origem inglêsa
Verdine é um trailer que foi usado pelos nômades, principalmente ciganos do XIX e meados do século XX. Ela era puxada por cavalos ou bois e decorada como uma casa.


Origem

As Verdines de Van Gogh em 1888
As primeiras charretes de habitação foram registradas na Albânia, no início do século XIX. Elas se apresentavam como uma espécie de cabana puxada por bois, enquanto a família ia caminhando ao lado. Em meados do século XIX surge a Verdine. François Jourda de Vaux de Foletier indica que, em 1833, se espalhou pela Inglaterra. Uma verdadeira casa, ela tem porta, janelas, persianas e uma escada retrátil que permite o acesso. De acordo com a ata do censo de nômade, ela é identificada na França em 1895, mas Van Gogh pintou três perto de Arles em 1888.


Etimologia

Eles também são chamadas de Vagi ou Verdon. Parece também que Verdineé uma deformação de Verdon, palavra de origem da língua osseta denotando um trailer.

Imagens da Verdine na França



Acampamento cigano em Saintes-Maries-de-la-Mer em 1927.

Comboio de verdines em 1925.

Crianças roubadas pelos nômades - data desconhecida.

Guitarrista na escada de sua verdine

Verdine, numa caravana cigana

Família de ciganos numa verdine.






Uso e construção

A última foi construída na década de 1950. Apenas os pneus são diferentes das verdines do século XIX. Na França, eles eram usadas principalmente por Manouches (Sinti também sinta ou sindi: é o termo que nomeia os membros de um dos três principais grupos do povo genericamente chamado de cigano. Leia sobre Manouches e Yeniches no final da postagem) e Yeniches (ieniches ou viajantes alemães: são a terceira maior etnia nômade da Europa). A Verdine era construída inteiramente de madeira por carpinteiros e fabricantes de rodas. Seu futuro proprietário, antes de tomar posse, ela passou a noite toda com uma vela para verificar se havia passagens (entrada) de ar, vento. A riqueza dos ocupantes já se imaginava pelo aspecto exterior da verdine, ornamentos finamente esculpidos, latão polido, cores brilhantes, eram sinais de riqueza. As outras eram geralmente pintadas, mas já com sinais de envelhecidas pelo tempo. Conduzida por altas rodas de ferro e madeira, puxada por dois cavalos, este trailer foi colocado sobre dois eixos, inclusive, o da frente sendo articulado. Ela tinha uma largura máxima de 2,50 metros, e o seu comprimento poderia ser de até 7 metros. A cobertura do telhado era arredondada para proteger o condutor. O interior era aquecido por um braseiro, um fogão a lenha ou a carvão. Ela tinha um buffet, a cozinha estava cheia de utensílios, panelas e cestos de vime cheios de vegetais. Cama dos pais, alcova, foi localizado na parte inferior. Abaixo estava um armário onde as crianças dormiam, ele servia como armazenamento durante o dia. De painéis e armários possíveis de armazenar utensílios e alimentos. A copa era instalada sob o piso perto das rodas, ao lado do balde sanitário. Os bancos e mesas eram dobráveis e tinha uma escotilha no chão para fugir da polícia, se caso necessário. Esta residência era sagrada. Era proibido para as mulheres darem à luz, e, não se podia morrer dentro delas, se não o local tornava-se imundo. Ninguém compraria uma Verdine em que houve uma morte, já que era de costume queimar todos os pertences do morto, a Verdine estava incluída, para evitar que a alma do falecido voltasse para assombrar os demais.

Imagens da Verdine na Alemanha



Halle, acampamento de ciganos

Halle, acampamento de ciganos

Berlin-Marzahn, caravanas

Halle, acampamento de ciganos

Halle, acampamento de ciganos

Halle, acampamento de ciganos






Manouches ou Sinti

Sinti (também sinta ou sindi) é o termo que nomeia os membros de um dos três principais grupos do povo genericamente chamado de cigano. Os outros dois grupos denominados rom e caló. Os sinti falam um dialeto da língua romani, o Romanes Sintenghero Tschib (en), que tem um vocabulário primário romani, porém fortemente influenciado pelo alemão.

Origens

A procedência geográfica do povo, bem como a origem do nome "sinti", são incertas. É possível que haja alguma relação entre os ciganos sinti e a etnia sindhi, do sudoeste de Paquistão, mas isso ainda não pode ser provado.

História

Acredita-se que os sinti (juntamente com os roma) chegaram à Alemanha na Idade Média. De lá, alguns deles migraram para a França, onde ficariam conhecidos como manouches; outros se transferiram para países do Leste Europeu, adotando nomes distintos em cada lugar. Desde que se estabeleceram na Alemanha, tanto os sinti quanto os roma foram alvo de discriminação. Exemplo disso é que, em 1899, a polícia alemã mantinha um registro central de ciganos, nos mesmos moldes daquele onde os criminosos eram catalogados. Com o advento do Nazismo, sintis e romas foram enquadrados como estrangeiros não-arianos, sujeitos, portanto, aos horrores da política racial do regime. Adolf Eichmann, que cuidava da logística dessa política, recomendava que a "questão cigana" fosse tratada simultaneamente com a "questão judaica". Mas antes disso, em 1939, a polícia de Hamburgo já estava deportando sintis para a Polônia, onde muitos deles acabaram nos campos de extermínio. Nesses campos, os sinti foram obrigados a usar um triângulo preto na roupa, como forma de identificação.

Yeniches

Yeniches, ieniches ou viajantes alemães são a terceira maior etnia nômade
Yeniches, cerca de 1890.
da Europa. Vivem, em sua maioria, na Bélgica, Alemanha, Áustria, Países Baixos, Suíça e partes da França. São um dos povos mais esparsamente distribuídos na Europa Ocidental, embora estejam vagamente concentrados na Renânia, e são caracterizadamente urbanos.

História

Quase nada se sabe sobre as origens da etnia yeniche. Há uma teoria de que seriam herdeiros de pessoas que perderam as terras por conseqüência das leis da Liga Hanseática. Os yeniches afirmam ser descendentes dos celtas.

Cultura

Embora freqüentemente rotulados como ciganos, os yeniches têm uma cultura claramente diferente da cultura romani, com seu próprio idioma e sistema de tabus.

Língua yeniche

Os yeniches falam seu próprio idioma, também chamado yeniche. É uma língua mista, com influência de romani, iídiche, rotwelsch e diversos dialetos de alemão.

Variações do nome

A palavra yeniche é usada principalmente na França e Bélgica, enquanto jeniche usualmente se refere aos viajantes alemães que habitam a Alemanha, Áustria e Suíça.

Perseguição suíça

Como ocorreu com diversas etnias nômades da Europa, como os judeus e romanis, os yeniches sofreram perseguição, especialmente na Suíça. Até 1970, o governo suíço tinha uma política semi-oficial de sistematicamente declarar pais yeniches como deficientes mentais, de modo a tomar seus filhos e dá-los à adoção por famílias suíças "normais". Esse programa, cujo propósito era eliminar a cultura yeniche, era chamado "Kinder der Landstrasse" (Crianças das estradas do país). Cerca de quinhentos e noventa crianças foram retiradas de seus pais e internadas em orfanatos, manicômios e até mesmo prisões. Atualmente, vivem na Suíça cerca de trinta e cinco mil jeniches, especialmente concentrados à região de Graubünden. Apenas cinco mil deles ainda mantêm seu estilo de vida nômade tradicional.

Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.