domingo, 5 de agosto de 2012

A História do JEEP

Willys MB jeep. (imagem: ד"ר אבישי טייכר).
O Jeep teria sido projetado em 1932, pelo cel. R. G. Howie,  da 7th Tank Company, no Fort Smelling Minn. Em 1937, esse veículo foi construído no Fort Sam Hous Ton Texas. Mais tarde, em 1940, o Bantan Car Company of Butler fabricou cerca de 70 jeeps e os entregou ao Army Quartermaster Department at Holabird Md. As Willys-Overland Motors of Toledo, Ohio the Minneapolis, Mottine Power e Implemente Company e Ford Motor Company são as maiores fábricas de jeeps do mundo. Qual a origem da palavra JEEP? Diz Vitor Lima, ex-tradutor brasileiro da Military Review: "O termo é de origem norte-americana. Trata-se de apenas da representação gráfica da pronúncia, em inglês, das letras G (dji) e P (pi), letras que, por sua vez, são as iniciais das palavras General Purposes, ou seja, General Purposes Vehicle (viaturas pra serviços gerais), classificação dada pelo Exército Norte-Americano a essas viaturas. Os catálogos de peças para jeeps, organizados pelo Exército norte-americano, traziam sempre as letras GP,  e nada mais natural, portanto, que ficassem essas viaturas batizadas com o nome de jeep, por força da pronúncia daquelas letras. Há ainda o caso de viatura semelhante, porém, mais pesada, e que no Exército Brasileiro ficou conhecida por jipão. No Exército estadunidense é muito comum a transformação de letras de código em palavras correntes. Há, por exemplo, o caso do G-I (dji-ai), que serve para denominar todo o soldado americano. essa expressão teve origem semelhante a jeep; as inciais GI significam Governement Issue (Propriedade do Governo), ou seja, a marca que todo o material entregue aos soldados trazia bem visível. Diz o cel. prof. George Maillard Kirby, das Forças Armadas dos Estados unidos: "Não há propriamente etimologia da palavra jeep, porque ela provém de uma gíria usada antigamente - Jeepers Creepers. Tal expressão, para os garotos, significava a mesma coisa que Jesus Cristo, aliás, muito usada entre os soldados norte-americanos; corresponde a Puxa! (usado no Brasil). Como se vê, formou-se a palavra inglesa jeep, de jeepers - que significa "tremores causados por uma ressaca". A primeira vez que ouvi falar de jeep foi em 1919; eu estava com o Exército de ocupação na Alemanha, quando um sargento, visivelmente embriagado, dizia a um capitão que estava com "jeeps", isto é, com tremores. Ouvi a palavra centenas de vezes, porque quando regressamos aos Estados Unidos o país estava alcoolicamente seco, e o povo tomava bebida feita em casa (Gin e Whiskey), e na segunda-feira, pela manhã, todos se queixavam de "jeeps". Primitivamente, deu-se ao conhecido veículo o nome de "half ton four-by-commandreconnaissance car". Como se vê, é expressão demasiadamente grande para ser usada de maneira geral. Surgiram, em consequência os seguinte nomes: Scout-Car; Leaping-Lena; Midget; Midgie; Puddle-Jumper; Baby-Buggy; Bug; Gyant-Tank; Bantan-Car; Jeepers-Creepers; Gramps e Peeo and Jeep. Mais Tarde, deu-se oficialmente ao veículo o nome de General Purpose Car, depois que a viatura já era conhecida pelo nome de Jeep".



Willys Jeep CJ-3A (imagem: Bukvoed)



Jeep é uma marca registada atualmente em nome da Chrysler LLC Group. O termo jipe virou sinônimo de automóveis destinados ao uso fora de estrada, ou off road, normalmente com tração nas quatro rodas. A palavra jipe é um aportuguesamento do termo em inglês jeep, derivado da pronúncia em inglês da sigla GP, que significa general purpose ou "uso geral", embora essa não seja a origem da marca Jeep. O veículo surgiu durante o esforço de guerra americano, no final dos anos 1930 e início dos 40, em que era necessário um veículo leve, com capacidade de superar terrenos difíceis e com obstáculos, e com capacidade para levar alguns homens e armamentos. Ao final da segunda guerra, a Willys requisitou o registro do nome Jeep. O primeiro protótipo foi o Bantan BRC cuja traseira é semelhante às traseiras do Jeep Willys e do Jeep Ford, mas a frente é arredondada, bem de acordo com o design típico do final dos anos 1930. Está na mente coletiva que o primeiro Jeep foi o Willys MB ou simplesmente "42" (de 1942), mas isso é um erro. Antes dele, outros modelos de Jeep foram enviados para as frentes de combate, como o Willys Quad, o Bantan BRC 40, o Willys MA e o Ford GP ou Pigmy. O veículo da Ford era denominado "GP" e pode ser confundido com a origem da denominação Jeep. Segundo a Chrysler do Brasil, o nome Jeep deve-se ao personagem de histórias em quadrinhos chamado "Jeep". Em 16 de março de 1936 a personagem conhecido pelo nome de Eugene the Jeep foi criada pelo cartunista E. C. Segar para fazer companhia ao Popeye. Ele era do tamanho de um cachorro e nativo da África e capaz de passar para a quarta dimensão. Ele resolvia todos os problemas do Popeye e da Olivia Palito e sempre falava a verdade. Este personagem cativou o público e se tornou rapidamente popular. O termo "Hey, he's a real Jeep!" ou "Ei, ele é um verdadeiro Jeep!" era constantemente empregado para pessoas que demonstravam uma capacidade superior. A ligação entre o nome Jeep e a tração 4x4 é creditado ao piloto de teste da Willys, Irvin Hausmann, que escolheu o nome para o seu veículo em 1940 durante testes para o exército americano. Até então eram referenciados por outros nomes como Bug, Blitz Buggy, Puddle Jumper, Peep ou Quad. O nome Jeep foi trazido a público por Katherine Hillyer no jornal Washington Daily News, em 16 de Março de 1941, quando relatou que ao final de uma demonstração alguém da platéia perguntou a Hausmann como ele chamava aquele veículo e ele respondeu: "It's a Jeep!", ou "É um Jeep!". No Brasil, a Vemag produziu o Candango, entre 1958 e 1963, uma versão sob licença do DKW Munga. A Vemag tentou lançar esse veículo no Brasil denominando-o como Jeep DKW-Vemag, mas a Willys detinha os direitos sobre a denominação Jeep e daí surgiu o nome Candango, em homenagem aos operários que trabalharam na construção de Brasília. Em 13 de maio de 1998 a Mercedes-Benz, marca do grupo Daimler, fundia-se com a Chrysler, formando o conglomerado Daimler Chrysler e passava a disponibilizar uma série de novos modelos, compartilhando tecnologias. Essa união durou até 2007/2008, quando a Mercedes-Benz vendeu a Chrysler para um grupo de investidores estrangeiros chamado Cerberus Capital Management, que controlou a marca por pouco tempo. A crise financeira internacional de 2008 arruinou os planos das grandes montadoras americanas que começaram a entrar em processos de concordata ou de falência. Após uma série de acordos com o governo dos Estados Unidos e com o sindicato dos trabalhadores da Chrysler, e de planos de socorro que envolviam milhões de dólares do governo norte-americano, aprovou-se a fusão da Fiat Internacional com o grupo Chrysler, formando o atual Chrysler LLC Group, controlado pelo grupo Fiat.

Galeria de fotos

Jeep da US 3rd Infantry, Newfoundland, 1942.

II Guerra Mundial: jeep com Bantam trailer, Potsdam, Alemanha.


Bantam no.1 Blitz Buggy.

Bantam BRC 40.


Ford GP.

Willys MA.


Willys MB 1945 (restaurado). (Imagem: DMPrdctns).

Willys MB 1945 (restaurado). (Imagem: DMPrdctns).


Willis 60 PS, 1943. (Imagem: ChiemseeMan).

WWII Jeep in the STEAM Museum, Swindon, GB. (Imagem: Dickbauch).





O Jeep no Brasil

Jeep Willys CJ-3B, 1954. (Imagem: Willysalberto).
No Brasil, o Jeep foi lançado no final dos anos 1950 e foi produzido até o início dos anos 1980, inicialmente pela Willys Overland do Brasil e depois pela Ford, que adquiriu a Willys e depois a Chrysler no Brasil. Um avião, na verdade um protótipo, também foi chamado de "Jeep". Em 1937, o protótipo de um avião bombardeiro YB 17 foi apelidado de "Jeep" por sua boa performance. O YB 17 foi o antecessor do Boeing B17, a "Fortaleza Voadora". Houve uma grande linhagem de Jeeps militares e civís. Entre os Jeeps militares da Segunda Guerra Mundial estão o Ford GPA, o Jeep Anfíbio; o Nuffield MB Ligthweigh, com peso aliviado e fabricado na Inglaterra; o Willys MB Ligthweigh, com peso aliviado e projeto americano; o Corsley Pup, que tentou concorrer com as outras versões leves; o Willys MB 6x6, com canhão antitanque; o Willys T28, com esquis e esteiras para neve; o Willys MB longo e o Willys T25, um blindado de reconhecimento. Entre os Jeeps militares surgidos após a Segunda Guerra Mundial estão o Willys M38; o Willys CJ3B, de 1954; o Jeep Hotchkis, feito na França; o Jeep M38 A1; o Jeep M170, uma versão alongada do M38 A1; o AMC M151 A2 e o Might Mite. Entre os civis estão o Willys CJ2A, de 1945; o Willys CJ2, de 1947; o Willys CJ3A, de 1951; o Willys CJ3B, de 1954; o Jeepster; o Jeep Mitsubishi, japonês; o Jeep Mahindra Ford, indiano; o Jeep Ford 101 e o Jeep Ford de 1975, brasileiros; o Jeep Javali, com tração nas quatro rodas (1990 a 1994); o Jeep C101 Comando, com tração nas quatro rodas; o Jeep CJ5, com motor V8; o Jeep CJ6, um CJ5 longo; o Jeep CJ7 e o Jeep CJ8 Scrambler; o Jeep Renegade; o Jeep Chrysler Wrangler 1996 e o Jeep Chrysler Wrangler 1997, com molas helicoidais. Entre os modelos especiais estão o Willys CJ3C, bombeiro; o Willys DJ3 e o Willys DJ5, para serviço postal; o Jeep FC 150 e o Jeep FC 170. Entre os modelos "conceito" estão o AMC Jeep II; o Jeep Chrysler Icon, de 1997; o Jeep Chrysler Sahara, com quatro portas, de 1998; o Jeepster 1998 e o Willys 2 2001.


Willis Dessert, fotografado no Nationaal Oldtimer Festival Zandvoort 2010, The Netherlands. (Imagem: Alf van Beem).


Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.